Espiritualidade

Enquete

O que você achou do site dos Crúzios
 
Facebook Twitter RSS Feed 
Falecimento Padre Guilherme OSC PDF Imprimir E-mail

Faleceu em Belo Horizonte, na madrugada de 03 de Novembro, Padre Guilherme van e Lokkant OSCPadre Guilherme
 Pe. Guilherme nasceu na pequena vila de Haps na Holanda em 14 de dezembro de 1928, ele era gêmeo com Nel e pertencia a uma família numerosa e muito católica. Entre os seus irmãos, havia outro sacerdote, Antônio, que era religioso Espiritano, foi missionário na Angola. Padre Guilherme, que era chamado pelo apelido carinhoso de Wim por seus familiares, fez ginásio no Colégio dos Crúzios em Uden.

Aos 20 anos, entrou para o noviciado no Convento de Neeritter, e fez sua profissão religiosa na Ordem da Santa Cruz em 28 de Agosto de 1950. Estudante dedicado concluiu seus estudos de Filosofia e Teologia no Convento de Santa Agatha e foi ordenado sacerdote na festa de Santana e São Joaquim em 26 de Julho de 1955. Um ano depois da ordenação presbiteral, embarcou para a missão tendo o Brasil como seu destino. Aportou em Belém do Pará em Novembro de 1956, onde trabalhou por nove anos como vigário da Paróquia Santa Cruz e São Sebastião. Seu amor pela Ordem o levou a assumir a formação dos noviços em Leopoldina em 1963, onde também lecionou Filosofia. Após o Concílio Vaticano II, várias Ordens e congregações religiosas decidem criar um instituto (IFT) para os estudos de Filosofia e Teologia em Belo Horizonte. Desta forma, Pe. Guilherme assume como formador dos jovens junioristas em Belo Horizonte no ano de 1966, neste período inicia seu trabalho na periferia da grande cidade, na divisa dos municípios de Belo Horizonte e Sabará. Lá seu trabalho pastoral coloca as bases de futuras paróquias, entre elas a paróquia da N. Sra. Mãe dos Homens. Em julho de 1969, quando estava em Belém para a ordenação de Antônio Bessa, o primeiro crúzio brasileiro, o Capítulo do Priorato Santana o elege "prior" por dois mandatos. Em 1974 é nomeado para Juiz de Fora, ficou na cidade por quase 25 anos, com um pequeno intervalo de 2 anos (1994 a 1996) quando estava em Belém. Em Juiz de Fora participou da criação da Paróquia de Santa Teresinha e Divino Espírito Santo. Como um padre de pastoral, Pe Guilherme sempre incentivou a participação dos leigos na vida da Igreja. Este seu jeito participativo de trabalhar e seu zelo pastoral o levaram a ser nomeado coordenador Diocesano de Pastoral em Juiz de Fora pelo então Arcebispo Dom Juvenal Roriz. Como pároco de Santa Rita de Cássia, deu grande impulso às missões populares, e à festa da padroeira, impulsionando-a como um dos maiores eventos religiosos da cidade. Com a suspensão da Província dos Crúzios no Brasil, Pe. Guilherme é nomeado superior em Belo Horizonte em 2006 e depois com a morte de Padre Egídio em 2008 muda-se para Campo Belo, onde estabelece grandes vínculos de amizade e presença apostólica no Colégio Dom Cabral e nas paróquias da cidade, pois sempre estava disponível para servir mesmo depois de aposentado. Desde 2011, Pe. Guilherme residia em Belo Horizonte, onde passou os últimos anos de sua vida juntamente com os crúzios missionários holandeses. Na celebração de suas Exéquias, na Igreja de Santa Teresa, inúmeras pessoas davam testemunho da simplicidade, humanidade e grandeza de coração deste religioso crúzio. O Bispo auxiliar de Belo Horizonte, Dom João Justino, que presidiu a Eucaristia, afirmou em sua homilia, o profundo senso de comunhão eclesial que Pe. Guilherme viveu em sua vida. Além dos confrades crúzios, de alguns padres da Arquidiocese, também participou da concelebração Dom Miguel Angelo bispo de Oliveira. No coração de todos os que conviveram com Pe. Guilherme fica uma profunda gratidão a Deus, por sua vida e seu testemunho de serviço, dedicação à Igreja e ao ser humano.